EPISÓDIO XX – TENET


O Tempo não existe.
Carlo Rovelli

Em mundo envolto em uma complexa trama de espionagem internacional, um agente da CIA que se autodenomina como o “protagonista”, que fora interpretado por John David Washington,  é recrutado por uma misteriosa organização chamada TENET para participar de uma ação global que busca impedir que um traficante de armas Russo Andrei Sator, que fora interpretado por Kenneth Branagh, inicie a terceira Guerra Mundial. Desta forma ele deve aprender a arte de se “deslocar no tempo-espaço” evitando assim a destruição da população mundial.
Tenet possui uma nota de 7,4 no IMDB e uma audiência de 76% no Rotten Tomatoes.

O longa-metragem que foi dirigido e roteirizado pelo inglês Christopher Nolan que também é conhecido por dirigir “A Origem” de (2010), “Interestelar” (2014), a trilogia do Batman: “Batman Begins” de (2005), “Batman: O Cavaleiro das Trevas” de (2008) e “Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge” de (2012), “Dunkirk” de (2017) e “Amnésia” de (2000).

O diretor Christopher Nolan é um grande fã dos filmes de James Bond, e esse amor por este gênero de filmes flui claramente neste filme. Dito isso, Nolan realmente fez o possível para não assistir a nenhum filme que pudesse influenciá-lo abertamente enquanto trabalhava em Tenet – esse foi o tempo mais longo que o diretor passou em sua vida sem assistir a um filme de Bond. A razão para isso é que ele queria trabalhar a partir de uma memória e um sentimento daquele gênero. Ele não estava tentando fazer sua própria versão de um filme de James Bond, mas em vez disso, tentando recriar a empolgação que muitas pessoas sentiam assistindo aos filmes de Bond quando eram crianças.

Para filmar a elaborada sequência de perseguição de carro para frente e para trás com muito pouco ou nenhum efeito visual, uma equipe de vinte importantes pilotos da Califórnia foi convocada, que mais tarde se juntou a pilotos de dublês experientes da Estônia, Praga e Reino Unido. O grupo incluía Jim Wilkey, que ficou famoso por ter virado o caminhão do “Coringa” doze anos antes em Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008).

O filme venceu o Oscar de 2021 de Melhor Efeitos Especiais e recebeu mais quarenta prêmios e cento e quarenta e uma indicações.

Embora o filme não pretenda ser cientificamente preciso, ele se baseia basicamente na física real. Antes do início das filmagens, o diretor Christopher Nolan pediu ao físico Kip Thorne, com quem já havia trabalhado anteriormente em “Interestelar” (2014), para ler o roteiro para ajudar com alguns dos conceitos.

A sequência de abertura, que se passa em uma casa de ópera em Kiev, é baseada na “Crise de Moscou” em 2002. Assim como no filme, o Teatro Dubrovka foi apreendido por um grupo de rebeldes armados. Três dias depois, as autoridades injetaram um opiáceo poderoso no prédio e deixaram todos inconscientes, então começaram a operação de resgate. Infelizmente, mais de 204 reféns morreram antes de serem resgatados, devido à substância tóxica.

O clube onde o “Protagonista” encontra o agente da Inteligência Britânica Michael Crosby, que fora interpretado por Sir Michael Caine, é o Reform Club em Londres. Anteriormente, apareceu em dois filmes de Bond – “007 – Um Novo Dia Para Morrer” (2002) como o clube “Blades” e em “007 – Quantum of Solace” (2008) como um escritório do governo.

A equipe de produção comprou e, em seguida, bateu um BOEING 747 real em um hangar. A proeza foi toda realizada com efeitos práticos, sem efeitos visuais ou CGI. O diretor Christopher Nolan planejou originalmente usar miniaturas e montagens de peças de cena. No entanto, enquanto procurava por locações em Victorville no Estado da Califórnia, a equipe descobriu uma enorme variedade de aviões antigos e tornou-se evidente que seria realmente mais eficiente comprar um avião real e executar a sequência de verdade à câmera.

O título do filme é um palíndromo: uma palavra que pode ser lida tanto para trás quanto para frente.

PRÊMIOS E INDICAÇÕES

Vencedor

OSCAR (2021)

Melhor Efeitos Especiais, Andrew Jackson, David Lee, Andrew Lockley e Scott R. Fisher.

Indicado

OSCAR (2021)

Melhor Desing de Produção, Nathan Crowley e Kathy Lucas.

e mais quarenta prêmios e trinta e nove indicações

 

Nota geral:

 

Mais sobre:

…………………………………………………………………………………………………………………………

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

…………………………..Nos encontraremos novamente em quinze dias.

Até mais.

 

 

 

 

Leave a reply:

Your email address will not be published.