EPISÓDIO XVI – BLADE RUNNER: O CAÇADOR DE ANDROIDES

“Que nossos afetos não nos matem nem morram.”

Donne

Com o colapso total do ecossistema terrestre uma  corporação metacapitalista, a Tyrell Corporation, desenvolve androides, chamados de “replicantes”, que são verossímeis a espécie humana, com exceção de um detalhe: não conseguem simular sentimentos humanos. Só que no ano de 2019 um grupo de replicantes enviados para fora do planeta para um missão colonizadora inicia uma rebelião e consequentemente uma chacina, fazendo com que a corporação decrete-os ilegais e condenados a execução sumária. Desta forma a empresa contrata um tipo de caçador de recompensas aposentado, Rick Deckard que é interpretado por Harrison Ford, que foi substituído por uma força policial especial chamada de Blade Runner para “aposentar” os seis replicantes do modelo Nexus 6 até então foragidos. Entretanto depois de conhecer uma replicante chamada Rachael, que é interpretada pela atriz Sean Young, Deckard passa a questionar se essa é a verdadeira missão dele.

O longa-metragem possui uma nota de 8,1 no IMDB e uma audiência de 91% no Rotten Tomatoes.

O longa-metragem foi dirigido por Ridley Scott e possui um roteiro de Hampton Fancher e David People que foi inspirado, não adaptado dadas a quantidade de alterações, do romance Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?” de Philip K. Dick que fora lançado em 1968.

O filme foi duramente ignorado pelo público na época também por causa do lançamento simultâneo com os filmes  E.T.: O Extraterrestre (1982) e O Enigma de Outro Mundo (1982) e fora um fracasso total de bilheteria até finalmente se tornar um clássico dos filmes de Ficção Científica com a versão do diretor lançada em (1992).

Um dos maiores motivos da aversão do público na época do lançamento do longa-metragem é que durante a exibição nos cinemas a película vinha acompanhada simultaneamente com um narrador que vinha explicando o que ocorria em cada cena, narrador este que fora dublado pelo ator Harrison Ford que anos depois confessou que gravou a pior narração possível para que os produtores do filme desistissem da ideia.

A Atriz Sean Young que interpretou a replicante Rachel em entrevistas recentes afirmou que o diretor Ridley Scott constantemente a assediava durante as gravações do filme pedindo-a em namoro, porém com a recusa dela, ele acabou namorando a atriz Joanna Cassidy que interpretava a também replicante Zhora. Depois deste longa a atriz afirma que a carreira dela foi gravemente prejudicada por ele, assim como também pelo Warren Beatty e o Steven Spielberg que segundo ela tratavam as mulheres como uma mercadoria e assediava as atrizes durante as gravações.

Harrison Ford cita este filme como um dos filmes mais frustrantes que ele já atuou, em parte porque a filmagem foi tão cansativa e as mudanças na pós-produção que deveriam aumentar as chances do filme nas bilheterias, porém isso não ocorreu.

As datas de início dos diferentes replicantes são: Roy Batty (8 de janeiro de 2016), Leon Kowalski (10 de abril de 2017), Zhora (12 de junho de 2016) e Pris (14 de fevereiro de 2016).

A continuação do filme chamada de Blade Runner 2049 (2017) se passa exatamente trinta anos após a estória do primeiro filme e foi dirigida por Denis Villeneuve e roteirizada por Hampton Fancher e Michael Green.

PRÊMIOS E INDICAÇÕES

Indicado

OSCAR (1983)

Diretor de Arte, Lawrence G. Paull, David L. Snyder e Linda DeScenna.

Efeitos Especiais, Douglas Trumbull, Richard Yuricich e David Dryer.

GLOBO DE OURO (1983)

Trilha Sonora, Vangelis.

Vencedor

PRÊMIO BAFTA (1983)

Melhor Cinematografia, Jordan Cronenweth

Melhor Figurino, Charles Knode e Michael Kaplan

Diretor de Arte, Lawrence G. Paull.

e mais onze prêmios e dezessete indicações.

 

Nota geral:

 

Mais sobre:

 

 

 

___________________

 

 

 

___________________

 

 

 

___________________

 

 

 

Nos encontraremos novamente em quinze dias.

Até mais.

 

 

 

 

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Site Footer